• By Sharon Theimer

Os casos de câncer colorretal estão aumentando em adultos jovens, os exames preventivos estão diminuindo

14 abril 2021
Um grupo de funcionários jovens e diversificados no escritório

A pandemia de COVID-19 tem afetado profundamente os diagnósticos e tratamentos de câncer. As colonoscopias, por exemplo, diminuíram 90 por cento no ano passado. Embora o número de exames preventivos seja baixo, os especialistas afirmam que o número de jovens desenvolvendo câncer colorretal antes dos 50 anos continua a aumentar. Essa tendência começou no início dos anos 1990.

"A maioria desses aumentos ocorre em pessoas de 40 a 49 anos, mas metade dos pacientes com câncer colorretal de início em idade jovem tem menos de 40 anos", afirma a Dra. Lisa Boardman, gastroenterologista da Mayo Clinic. "Costumávamos pensar no câncer colorretal como uma doença do envelhecimento. Com o aumento do número de casos de câncer colorretal em todo o mundo, claramente há outros fatores além do envelhecimento que contribuem para o seu desenvolvimento." 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o câncer colorretal afeta principalmente pessoas com 50 anos ou mais, mas estudos recentes mostram que a incidência está aumentando entre os mais jovens. No geral, a OMS classifica o câncer colorretal como o terceiro tipo de câncer mais comum em todo o mundo, atrás do câncer de mama e de pulmão. Há cerca de 1,9 milhão de casos de câncer colorretal em todo o mundo a cada ano. A cada ano, aproximadamente 935.000 pessoas morrem de câncer colorretal em todo o mundo.

Mas por que as pessoas estão desenvolvendo câncer colorretal mais jovens? 

"Isso não pode ser explicado como uma condição hereditária conhecida. Cerca de 20 por cento das pessoas que desenvolvem câncer de cólon de início precoce ou em idade jovem apresentam um tipo hereditário de alteração genética. A maioria delas não apresenta", afirma a Dra. Boardman. "Possíveis explicações podem estar relacionadas a mudanças na dieta, aumento das taxas de obesidade e diminuição da atividade física, mas até o momento, o motivo de mais pessoas mais jovens estarem sendo diagnosticadas com câncer colorretal permanece desconhecido."

O objetivo do exame preventivo para câncer colorretal e pólipos pré-cancerosos que podem evoluir para o câncer é identificar a doença em um estágio mais precoce e provavelmente mais curável. A Dra. Boardman afirma: "Assim, os pólipos colorretais pré-cancerosos podem ser identificados e removidos por meio de uma polipectomia, prevenindo o câncer colorretal. Exame preventivo significa que esse teste é feito antes que uma pessoa desenvolva quaisquer sinais ou sintomas que possam ser causados por um câncer ou pólipo."

A U.S. Preventive Services Task Force (Força Tarefa de Saúde Preventiva dos Estados Unidos) recomenda que os exames preventivos comecem a ser feitos a partir dos 50 anos de idade. O exame preventivo precoce é recomendado para alguns grupos, dependendo dos fatores de risco. As pessoas negras, por exemplo, têm um risco aumentado de desenvolver câncer colorretal e são incentivadas a começar os exames preventivos aos 45 anos de idade. 

Como a maioria dos jovens não fará os exames preventivos, é especialmente importante estar ciente de que os sintomas podem incluir dor abdominal, mudança no padrão normal do intestino, perda de peso inexplicada ou não intencional, sangue nas fezes ou fezes escuras. A fadiga pode resultar do vazamento de sangue do tumor e levar a anemia, uma diminuição na hemoglobina portadora de oxigênio que é medida por um exame de sangue.

Os fatores de risco incluem:

  • Histórico familiar.
  • Doença inflamatória intestinal.
  • Diabetes.
  • Dieta pobre em fibras e rica em gorduras.
  • Radioterapia para o tratamento de câncer.
  • Síndrome do câncer de cólon hereditário.

A Dra. Boardman afirma que é importante conhecer o histórico de saúde da sua família. 

"Se um paciente tiver um histórico familiar de câncer de cólon, isso poderá ajudar com o tipo de exame preventivo que realizamos. Estamos procurando condições e o problema hereditário mais comum é conhecido como Síndrome de Lynch", declara a Dra. Boardman. Pessoas com Síndrome de Lynch possuem uma mutação herdada em um gene que aumenta o risco de câncer de cólon, de câncer endometrial e de vários outros cânceres envolvendo o cólon.

Dieta e exercícios podem ajudar a prevenir o câncer colorretal e contribuir para uma boa saúde geral.

"Sabemos que concentrar nossas dietas mais em frutas e vegetais, minimizar a quantidade de carnes vermelhas e carnes processadas (como bacon e salsicha que possuem nitritos), junto com a redução do consumo de álcool, evitar o tabaco e aumentar a atividade física pode ter um impacto em nossa saúde geral", afirma a Dra. Boardman. 

Não adie o exame preventivo. Existem opções para exames preventivos de câncer colorretal, incluindo aqueles que podem ser feitos em casa ou em uma clínica, que podem prevenir ou detectar o câncer precocemente. Pergunte ao seu médico o que é mais adequado para você.

Jornalistas: trechos de áudio com qualidade para transmissão com a Dra. Boardman estão disponíveis nos downloads, no fim da publicação em inglês. Cortesia: "Lisa Boardman, M.D./Gastroenterologia/Mayo Clinic."

JORNALISTAS: as informações contidas neste artigo podem ser citadas e atribuídas à Mayo Clinic. Para entrevistar a Dra. Boardman ou qualquer outro especialista da Mayo Clinic, entre em contato com a área de Relações Institucionais da Mayo Clinic em newsbureau@mayo.edu.


Para a segurança de seus pacientes, equipe e visitantes, a Mayo Clinic tem políticas rígidas em vigor sobre o uso de máscaras. Qualquer pessoa sem máscara foi filmada antes da COVID-19 ou em uma área não designada para cuidado dos pacientes, onde distanciamento social e outros protocolos de segurança foram seguidos.

As informações nesta postagem estavam corretas no momento de sua publicação. Devido à natureza dinâmica da pandemia da COVID-19, o entendimento científico, juntamente com as diretrizes e recomendações, podem ter mudado desde a data de publicação original. 

Para obter mais informações e toda a sua cobertura sobre COVID-19, acesse a Rede de Notícias da Mayo Clinic e o site mayoclinic.org.